Como o Street Style revolucionou o consumo de moda

sábado, julho 14, 2018

PFW Winter 2019. Foto: Sandra Semburg

Já se foi o tempo em que as coleções desfiladas nas passarelas eram a principal fonte de desejo de consumo. E os looks que protagonizam os grandes editoriais de moda já não fazem tanto sentido (ou talvez nunca fizeram) para o consumidor. A moda é um setor caracterizado pela efemeridade, por isso vive em constante transformação. E um dos fenômenos em meio a essas transformações, que contribuiu para a alteração do sentido e da noção do que pode ser moda, foi o Street Style.

Mas afinal, o que é Street Style?
O movimento que pode ser traduzido literalmente como “moda de rua” nada mais é do que a moda utilizada pelos indivíduos nos cenários urbanos a que pertencem e que, através da roupa, transmitem a sua personalidade traduzindo as culturas locais na sua individualidade. Street Style é o cotidiano, o aqui, o agora. Somos nós!

Mas você deve estar se perguntando: Como esse fenômeno ganhou destaque? A boa notícia é que há uma explicação científica para isso. O street style conquistou não só as ruas, calçadas e as portas de desfiles das principais capitais da moda, como também atingiu a web por meio dos blogs especializados no assunto, e foi aí que ele despontou.

Um estudo realizado pela jornalista e professora Daniela Hinerasky (que inclusive foi minha professora da pós) revela todas as fases do street style digital, além de detalhar as características presentes nesses blogs, com destaque para o pertencimento. “No caso do street style digital, os sites representam os lugares emblemáticos e emocionalmente vividos nas cidades contemporâneas, cujos fragmentos unidos delimitam imaginários sociais, fazendo da cidade “o espaço da socialidade”.” (HINERASKY, 2015, p. 69).

Com o avanço das redes sociais, hoje não são somente os blogs que oferecem esse tipo de conteúdo. Uma das plataformas preferidas por quem ama inspirações advindas da rua é o Pinterest. Lá é possível encontrar milhões de looks de vários estilos, para várias ocasiões, inseridas no contexto urbano.

Por meio dessa difusão conquistada no âmbito digital, a moda de rua influenciou diretamente no consumo, por se tratar sempre de pessoas reais, usando looks do dia a dia, só que comunicados de uma forma interessante através da fotografia. É natural que cada vez mais o público em geral se identifique com essa linguagem do cotidiano, da realidade, pois é nesse contexto em que ele se sente inserido. O street style possui um poder de aproximação com o público que muitas marcas não têm, mas o jogo já parece estar virando.

Não é de hoje que o street style inspira as marcas de luxo. Historicamente falando, esse movimento já é antigo, começou por volta da década de 50 e há alguns anos já influencia nas coleções apresentadas nas passarelas. Atualmente, O street style  tornou-se uma espécie de termômetro para as grandes marcas de moda, que estão acompanhando incessantemente as manifestações que ocorrem nos centros urbanos, e têm demonstrado um forte interesse pelo “real”. Inclusive, grandes nomes têm levado a moda de rua para a passarela. Como alguns exemplos podemos citar, Undercover, Maison Margiela, Dior, Vetements, Fenty X Puma, dentre muitas outras.

No Brasil, essa convergência aconteceu na prática com o primeiro desfile da marca LAB – Laboratório Fantasma, dos irmãos Emicida e Fióti, na São Paulo Fashion Week (SPFW) em 2016. O acontecimento marcou a história da moda brasileira e provou que a rua pode sim dominar a passarela.
Alguns produtos do site da Lojas Renner já estão dentro da temática das ruas. Foto: Divulgação

Além das marcas de luxo, as fast fashions brasileiras já sacaram que street style é “o que há”, e usam a moda de rua como principal fonte de inspiração para colocar as suas coleções no mercado. Um desses exemplos é a Lojas Renner, que do meu ponto de vista está sendo uma das que mais está investido na linguagem urbana em suas plataformas digitais. Inclusive, no site, esse posicionamento já pode ser observado através das fotografias de produtos, que agora contam com os modelos inseridos no contexto urbano, com cliques feitos nas ruas ou em situações cotidianas.

O consumo de street style na prática
Quantas vezes você já foi seduzido pela estética do street style e já viu alguém com um look que despertou o seu interesse? A fim de atender esse desejo de consumo momentâneo, além de democratizar ainda mais as roupas, o grupo rewardStyle disponibilizou o aplicativo LIKEtoKNOW.it, que facilita a vida de qualquer pessoa que ama moda! Através dele é possível comprar os looks que circulam pelo Instagram com apenas um clique. Basta tirar um print dos seus preferidos. Aplicativos como este demonstram que a moda de rua encurtou as distâncias entre marca e consumidor, tornando tudo alcançável.

Em suma, o Street Style é a mais pura representação da democratização da moda. É o novo sentido dado às ruas! 

Esta matéria eu escrevi para o portal do ONDM - O Negócio da Moda - evento do qual sou embaixadora e está em sua terceira edição. Uma vez por mês eu compartilho alguma reflexão bacana sobre o mercado da moda. Para ver todas as minhas matérias, acesse: ondm.com.br/gerusa-florencio. Espero que tenham gostado! 

Beijos e até a próxima.

Você também poderá gostar

0 Comentários

Curta no Facebook

Receba novidades no seu e-mail

Digite o seu e-mail: