Somos todos bobos do tempo

quinta-feira, dezembro 31, 2015


Sai ano, entra ano, mas uma coisa não muda: somos todos bobos do tempo! Acreditamos que a transição pode transformar os rumos e quem sabe, até as consequências – talvez possa –, mas a mudança está apenas em nossas mãos. Questões externas podem alterar o futuro, mas o tempo não é o principal encarregado. Sempre jogaremos a culpa nele, afinal, somos todos bobos do tempo!


O tempo é um companheiro constante, daquele que não desgruda nem enquanto dormimos e muito menos quando achamos que se trata apenas de uma ilusão... e mesmo que não ouçamos o tic tac do relógio, ele nos acompanha no celular, no cronômetro enquanto fazemos qualquer atividade, na playlist que ouvimos enquanto tomamos banho, na espera pelo ônibus ou pela carona para irmos ao trabalho (ou a qualquer outro lugar), na ansiedade pela sexta-feira, nos tédios dos feriados e no fim do calendário.


E o que fazemos com ele? 15 minutos aqui, meia hora ali, duas horas cá; e só em meados de dezembro é quando nos damos conta que já se passaram mais 365 dias; exatas 8760 horas que poderíamos lutar para alcançar nossos objetivos!? Será? É essa a grande interrogação que fica quando pensamos nos dias e não nas horas... Afinal, somos todos bobos do tempo e na nossa cabeça talvez não seja possível fazer tanta coisa em um ano - claro que isso depende do tamanho da sua lista - e se você não faz uma, ótimo! Menos frustração para guardar em uma garrafa cheia de papeizinhos dobrados.

Você já parou para pensar que o seu tempo tem o mesmo valor que o meu? Sejam dez minutos, uma hora, um ano, sim, o relógio e o calendário têm a mesma medida e preço para todos nós (uma pena que nem todos reconheçam). Meus cinco minutos não são menos valiosos que os seus - seja lá qual for a situação -, e é dessa preciosidade única da medição desse período contínuo, que nos tornamos escravos. Mas a gente só percebe o seu valor e o que mais poderia ter feito, quando o ano acaba! Esse choque de realidade liga a vontade de deixarmos de sermos “bobos” e de correr atrás de tudo o que queremos, sem pensar no tempo.


Os anos (principalmente) nos tornam reféns dos objetivos, das metas e por vezes, das frustrações. As autocobranças passam pra lá do limite quando chegamos nessa época, e por que? Porque somos bobos do tempo, dos 365 dias que não deram tão certo assim, ou até foram bem, mas como sempre, alguma coisa não saiu como estava planejada. É em meio a esse fim e ao novo começo, que a reflexão e o sentimento de que não agimos o suficiente vêm à tona!


Mas como proceder com essa enxurrada de pensamentos que te pegam no dia 31 de dezembro, por volta das 23h15 (e na maioria das vezes muito antes)? Em primeiro lugar, parar de medir o tempo pode ser a sua maior conquista para 2016! Deixemos-o, e apenas lutemos com força e vivamos com fé... Não é tempo o fator que muda a nossa história e nem o nosso rumo, ele apenas nos traz a sensação de passado, presente e futuro; sensação esta, que está em constante mudança.

Em 2016, desejo que eu e você sejamos menos bobos do tempo, que nos libertemos dele e não continuemos seus escravos. Anseio que a nossa força seja a principal medida, e que o conceito de tempo não roube as energias. Que o “relógio” não seja a maior das preocupações e que daqui 365 dias não se torne novamente um carma (como foi 2015 segundo a numerologia, e na percepção e experiência de muitas pessoas). Se não puder fazer tudo, faça tudo o que puder – independente do tempo, das horas, dos meses, dos anos...

Feliz 2016!!! Repleto de só coisas boas...

Sobre a Autora: 
GERUSA FLORENCIO Gerusa Florencio 
28 anos,
virginiana, jornalista,
adora maquiagem, mas sua grande paixão é a moda.
Me siga no Instagram e Facebook.

Você também poderá gostar

0 Comentários

Atenção: Seu comentário estará visível após ser aprovado

Curta no Facebook

Receba novidades no seu e-mail

Digite o seu e-mail: